terça-feira, 20 de novembro de 2012

Preparação para o DuelShop - HEROs


Neste capítulo da série de preparação para o DuelShop falarei sobre um deck que me PERSEGUIU no último torneio que disputei em São Paulo.

O deck de Elemental HERO.


Quando viajei para o último DuelShop não imaginava que o deck de HERO estaria tão presente. Eu joguei contra cinco(!!!!), do primeiro ao quinto round e acabei perdendo para dois deles. Acredito que se tivesse levado essa “matchup” mais em consideração antes do torneio poderia ter evitado, pelo menos, uma dessas derrotas.

Nesse artigo tratarei o Bubble Beat e o HERO Beatdown como um único deck. Além de simplificar a explicação, acredito que as cartas que você usará contra eles e a maneira com a qual a partida deve ser abordada são muito semelhantes. Basta fazer os ajustes necessários para as peculiaridades de cada um. Citarei alguns ajustes pontuais para o deck de Bubble Beat antes de fazer a análise dos dois juntos.

No Bubble Beat existe uma jogada muito comum que é “setar” a mão inteira para poder invocar o Bubbleman. Geralmente, essa jogada é feita com o intuito de colocar em campo algum dos XYZ que são usados para acabar com o jogo de forma rápida como Excalibur e Blade Armor Ninja. Em seguida, o oponente costuma ativar Miracle Fusion ou Monster Reborn para selar a partida. Mas aonde eu quero chegar?  É seguro assumir que as cópias dessas spells citadas são as que acabaram de ser “setadas” pelo jogador para habilitar o Bubbleman. É bastante improvável que elas sejam as “setadas” que já estavam no campo e essas, muito provavelmente, são as Traps reais do adversário. Logo, é uma jogada válida usar seu Mystical Space Typhoon nas cartas que acabaram de ser “setadas” assim que o XYZ for invocado. Você tenta acertar a esse Miracle/Reborn e frustra os planos do oponente, até porque esse Mystical seria inútil diante de um Excalibur e um Shining.

Outra característica que deve ser levada em consideração no deck Bubble Beat é a quantidade muito pequena de monstros que ele possui. É comum não passar de dez. Isso se deve ao fato de ser necessário possuir poucos monstros para não atrapalhar o Bubbleman. A vantagem que se pode tirar disso é que é possível contar com relativa precisão quantos monstros o oponente ainda possui no deck. A partir daí, é só adaptar seu jogo de acordo com essa informação.

O deck HERO é muito simples: Usa os monstros fortes para pressionar e forçar as defesas do oponente, simplificando o jogo, até que eles usem um Miracle Fusion que não possa ser enfrentado e é construído com muitas traps genéricas. Contudo, possui duas cartas que o separam dos “antimetas” convencionais: Gemini Spark e Hero Blast.

Basicamente, a chave da vitória nessa matchup é saber lidar com essas duas cartas, principalmente o Gemini Spark, e ter como se defender de uma investida do The Shining. Quanto ao Spark, eu vejo pessoas sofrendo vários “dois para um” desnecessariamente só pelo fato de “setarem” cartas a mais no campo. O ideal, principalmente no início do jogo, é “setar” apenas uma das suas defesas por vez. Bottomless Trap Hole e Dimensional Prison são cruciais nessa partida, pois lidam com o Alius e ainda o remove. “Setando” múltiplas cartas, você fica exposto a tomar Spark em “Chain” ao seu Prison/Bottomless, perder mais uma carta, seu oponente comprar uma e o Alius ainda vai para o cemitério deixando Hero Blast e Miracle Fusion vivos e é exatamente esse tipo de cenário que o seu oponente procura.

Uma forma de levar o seu oponente a gastar um Spark é induzí-lo a usar esta carta em um dos seus Mystical Space Typhoons. Uma vez o Alius no campo, o Spark já está “online”, então o máximo que pode ser feito é mitigar o estrago que ele possa fazer e força-ló a usar em um MST seu, é muito vantajoso. Isso também pode ser atingido usando algum monstro “floater” “setado”, como um Sangan ou um Card Tropper. A ideia é a mesma.

No Nacional desse ano eu e João Pedro usamos nosso deck sem Solenm Warning e fizemos Top8 com essa decisão controversa. Um dos principais motivos pra isso foi o grande número de HERO’s que imaginamos que existiriam naquele torneio, sem contar que naquela época Inzektor com três Call of the Haunted e Chaos Dragon também eram decks populares fazendo a carta em questão se tornar muito medíocre.

Se possível, guarde o seu Warning para o Miracle e tente lidar com os monstros fortes de outras maneiras. Usar um Warning em um Alius para o seu oponente, em seguida, ativar Miracle é uma das piores decisões que você pode tomar. Dois mil é muita vida, principalmente contra um deck tão agressivo como esse. Use-a sabiamente.

Outra dica importante é fazer o The Shining perder o “timimg” de ativação do seu efeito. Pra quem não sabe, ele é um efeito opcional. Logo, para ser ativado necessita que a última ação a ocorrer na corrente seja o seu envio para o cemitério. Acho que com um exemplo fica mais simples: Suponha que seu oponente ative Miracle Fusion invocando The Shining. Quando ele é invocado, você pode ativar alguma carta como “chain link 1” e depois ativar um Torrential Tribute, por exemplo. É possível agregar valor aos seus Effect Veillers mortos só com essa jogada. A chain ficaria:

CL1 Effect Veiller - CL2 Torrential Tribute

Se a corrente resolver, o Torrential destruirá o Shining, que ficará impossibilitado de ativar o seu efeito opcional no meio de uma “chain”, e depois o Veiller tentaria resolver no vazio. Logo, o seu adversário não poderia adicionar as cartas para mão. Isso pode ser feito com qualquer carta como “chain link 1” como Mystical Space Typhoon, Call of the Haunted, Maxx “C” e muitas outras. Essa jogada é de extrema importância, não se esqueça dela.

Existem muitas cartas boas contra esse deck que podem ser usadas de “side” com tranquilidade. Snowman Eater e seus 1900 de defesa são duros de ultrapassar, Ryko faz o Shining perder “timing” e é versátil, Messenger of Peace e Level Limit Area – B travam o deck totalmente, além de serem imãs de Gemini Spark e qualquer forma de removal como Prison, Bottomless, Dust Tornado e Soul Taker. Este último também faz o Shining perder o “timing”.

Bom, por enquanto é isso. Espero que tenham gostado.

Qualquer dúvida, fiquem à vontade e enviem através dos comentários.

Por favor, curtam a nossa página no Facebook para saberem sempre quando um artigo novo estará no ar, além de novidades sobre estratégias, torneios e campeonatos.   


Até a próxima galerinha!

E lembrem-se:

É muito menos sorte do que você imagina...

PRRJ

28 comentários:

  1. Parabéns, achei esse um dos melhores artigos ate agora Paulão, Continue assim e espero que saiu um artigo sobre Agent pois pela minha analize vai ter bastante no Duel Shop. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu pensei em fazer um sobre Agent sim. Embora eu já tenha um artigo sobre o assunto, o The Champions do Simon He, é capaz de outro ser necessário. Valeu ai Wendell !

      Excluir
  2. Respostas
    1. Continue acompanhando ! Obrigado pelas palavras !

      Excluir
  3. excelente , isso que tu falou é "tudo" pra se ganhar de hero.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns, ótimo post. Acho interessante também de side contra HERO, além do mais que óbvio TKRO, Super Polymerization. Por mais que tire espaço do seu EXTRA/Side ela é realmente muita boa já que tira dois monstros do campo do oponente sem chain, deixando Gemini Spark morta e como única salvação do oponente, ele ter uma Miracle Fusion.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Super Polymerization é BEM específico mesmo. Eu acho que até seria possível você usar. SE o seu metacall fosse de muitos HEROs MESMO.

      E muito obrigado !

      Excluir
  5. Respostas
    1. Muito obrigado ! Continue acompanhando. =)

      Excluir
  6. Francisco Chaos Dragon Deck
    Mais um super post no paulao
    Super Bem postado paulo me impressiona o seu conhecimento do Jogo , sempre coerente e sagaz , valeu pelas as dicas, não é a toa em minha humilde opinão um dos melhores se não o melhor Top Player de Yugioh no Brazil na atualidade

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelos elogios =)

      E continue acompanhando ! Grande Abraço !

      Excluir
  7. Paulão por favor faça um post sobre chaos dragon e sua perspectiva de futuro desse deck para o nacional 2013

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem como fazer isso ainda... tem vários boosters novos pelo caminho. Sem contar uma lista de Banida em Março. Tudo muda com o lançamento de um booster. Imagina de vários... haha

      Grande abraço!

      Excluir
  8. Contra esse deck eu estou cansado de jogar. A galera usa muito ele aqui mesmo.

    A unica estratégia citada que eu não costumo usar muito e fazer o The Shining perder o timing, vou ficar mais esperto nessa questão.

    Belo artigo.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, as pessoas acabam esquecendo mesmo. Mas é muito importante lembrar disso. Faz toda a diferença. =)

      Grande abraço !

      Excluir
  9. Bom artigo.Tentem usar compulsory : boa contra as fusões e podem chainar ao vosso monstro que levar spark assim não o perdem ele perde o alius e depois como não destruiu Não compra!

    ;) De resto tá td ai,Poupar as warnings porque o big push do deck é a miracle.

    ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente ! Sem contar que o Compulsory é muito bom em outros jogos também. =)

      Excluir
  10. taí um deck complicado de se enfrentar, >.<

    mesmo com as perdas que tiveram na última ban list, eles ainda são muito consistentes e depois que conseguem um bom setup no campo (o que não é difícil), fica complicado virar,

    essa dica de como lidar com o gemini spark realmente é muito útil, ela é a famosa "carta chata pra caralho" :D,

    em relação ao artigo em si, clap clap clap :D, sempre mantendo um alto nível de qualidade ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente. Por isso que ainda existe essa popularidade mesmo depois de tantos anos...

      E muito obrigado pelo elogios. =)

      Continue acompanhando ! Abraço !

      Excluir
  11. Aguardando o dino rabbit e o SEU temido INZEKTOR.

    ResponderExcluir
  12. Gostando dos posts, sempre bem completos. Imagino que virão excelentes posts dos novos arquétipos, pois o Mermail já se tornou uma realidade no metagame e o Prophecy/Spellbook tem chances de crescer (talvez o Fire Fist/Firedance também possa)

    ResponderExcluir
  13. É uma pena que as maioria dos jogadores só aceitam o "miss time", em torneios gerenciados por juízes, parece que ainda não está no entendimento de muitos (tabu/ falta de conhecimento).

    ResponderExcluir
  14. sobre a jogada de fazer um efeito speed 1 e fazer chain com torrential, quando o adversario invoca o the shining. andei vendo gente discutindo sobre a torrential não poder ser ativada se a ultima coisa q aconteceu não foi a invocação. sabe alguma coisa sobre isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode sim. Pois ainda está na janela de invocação. Se o oponente baixar uma Gemini Elf você pode usar Torrential, Torrential, Bottomless e Bottomless se quiser. =)

      Excluir
  15. Uma carta que ajuda pra caramba:
    - Gozen Match

    Nos torneios que eu vou sempre tem algum HERO e se vc como eu usa um deck Stun(controle de campo)essa carta é mt boa pois geralmente trabalham com monstros de diferentes tipos.Além da claro Limit area B que vc citou,trancou o deck hero ele não vai fazer mt coisa e se ele botar o buble vc ainda tem scrap-iron,dimensional prison etc..parabens pelo seu post man.

    ResponderExcluir